Menu Auxiliar

Início >> Acontece >> Vida e Carreira >> Porque a grama do vizinho é sempre mais verde

Text Resize

-A +A

Porque a grama do vizinho é sempre mais verde

seg, 03/08/2015 - 12:17 -- Anônimo (não verificado)

Porque a grama do vizinho é sempre mais verde

Vida e Carreira
3 Agosto 2015

Por Maura Xerfan
Coordenadora do Núcleo de Orientação à Carreira

Noto constantemente pessoas com a síndrome da segunda-feira, mais que isso, pessoas que adotam a síndrome da "feira" e acordam com um ar de cansaço ou de infelicidade em todos os dias conhecidos como úteis. Pessoas que me parecem infelizes com suas rotinas, com o trabalho, com a carreira.

Para entender o porquê de tal infelicidade, vamos buscar de explicar de forma simples o que faz uma pessoa feliz. Não, este não é um post patrocinado, fique tranquilo.

A felicidade pode ser definida por uma forma simples: Felicidade = realidade - expectativa. Assim, quando a realidade se mostra melhor do que o esperado, a pessoa se sente feliz.

Mas o que está acontecendo para as pessoas se sentirem tão infelizes? Será que a realidade está tão dura? Será que andam com expectativas muito altas? Para tentar responder essas perguntas, vamos analisar a fórmula da felicidade por dois diferentes ângulos: a realidade e a expectativa.

Examinando a realidade sabemos que de fato o cotidiano não é um mar de tranquilidade e crescer "de verdade", usualmente, não torna a vida mais fácil para ninguém. O crescimento profissional não difere disso, portanto, construir uma carreira consolidada costuma ser um processo árduo e de muitos aprendizados.  Como costumamos dizer é um processo que consome anos de energia, suor e lágrimas. A máxima de que o sucesso só vem antes do trabalho é só no dicionário, acredite. E isso sempre foi assim.

A geração Y, como é denominada a atual força jovem do mercado de trabalho, sofre um pouco mais que as anteriores. Isso se dá porque a geração Y precisa lidar com um novo fenômeno que é o compartilhamento do sucesso nas redes sociais. Enquanto as gerações anteriores trabalhavam para si, para os seus e para o próximo, a geração atual trabalha também com a obrigação de ser bem sucedida e de poder compartilhar isso com o mundo.  Em uma corrente de que todo mundo precisa ser "um caso de sucesso" ou, minimamente, ter um para contar.

Mas então, o que mudou para que as pessoas se sintam tão infelizes em relação às suas rotinas? Essa combinação, por vezes cruel, de um "sucesso maquiado" e "expectativas elevadas", que faz com que todo estudante de arqueologia deseje ser um Indiana Jones ou precise parecer herói nas redes sociais.

Diante de tanta visibilidade e exposição de carreiras de sucesso (verdadeiro ou não), fica difícil não achar sua realidade "medíocre" e elevar suas expectativas. E, é nesse momento, que desestabilizamos a fórmula da felicidade e ficamos infelizes com nossas rotinas de trabalho, nossas carreiras, quiçá com nossas vidas.

Assim, seguimos olhando para o lado e acreditando que a grama do vizinho é sempre mais verde e sem perceber que muitas vezes essa grama mais verde é sintética, artificialmente criada, uma realidade maquiada especialmente para ser exposta em vitrines sociais.

Para se sentir mais realizado profissionalmente, deixo algumas dicas:

  • Se a grama do vizinho parece mais verde, certifique-se de que ela não é artificial. Se olhar direito verá que as pessoas podem ter as mesmas dúvidas e ansiedades que ameaçam seu jardim;
     
  • Talvez não seja a grama do vizinho que esteja mais verde, talvez a sua tenha perdido cor, porque enquanto olhava a do vizinho você esqueceu de regá-la;
     
  • Se você não nasceu um espécime “grama rara” invista ao longo do tempo em se tornar especial: trabalhe duro, adquira conhecimentos e experiências, faça a diferença.
     
  • Não desanime, continue acreditando, pois há um mundo de prados e campinas verdejantes, onde as oportunidades e aguardam por pessoas bem preparadas e decididas a buscar a realização profissional.

Fonte: http://www.waitbutwhy.com/2013/09/why-generation-y-yuppies-are-unhappy.html

Edição 48, da série Vida e Carreira, organizada pelo Núcleo de Orientação à (NOC) da UniCarioca 

0 Comentário(s)

Comentar